domingo, 20 de outubro de 2013

8º Capitulo - « Querida,a distância não significa nada se ele significar tudo. »

Aquele momento estava a ser mágico, não havia palavras. O facto de estar ali com uma pessoa que em pouquíssimos dias fez com que eu sentisse coisas que eu nem sonhava voltar a sentir é maravilhoso. Talvez seja ele que me faça voltar a sentir aquela felicidade que é tão especial.
As inseguranças estavam cá apenas não as demonstrava, quero fazer o que ele diz viver o momento, e este…este é o nosso momento.
Estávamos sentados nuns bancos que ficavam ao pé da Torre Eiffel, já tinha escurecido um pouco, mantínhamo-nos sentados e agarrados.
- És especial. – Disse ele quebrando o silencio.
Fiquei por momentos a pensar naquele ‘’ és especial’’ , ele também é eu sinto-o, mas não consigo agora expressar os meus sentimentos.
- Fala-me sobre ti. – Acabou por dizer – só tens um irmão? O Salvador não é?
- Não, também tenho o meu puto ranhoso.
- Tens um irmão mais novo?
- Sim sou a única rapariga. O Salvador tem 23, e o Afonso tem 14. E o resto tu já sabes, estudo e tal. Agora fala tu.
- Sou o Stephan, o teu El – ele disse que era o meu El – como tu preferes porque os meus nomes são muito esquisitos e complicados – ele sorriu e eu acompanhei - tenho um irmão mis velho, o namorado da tal loira, vivo em Milão, jogo no Milan e  tenho uma casa muito gira e sou muito giro.
- Muito me contas, principalmente aquela parte do seres giro. Tu não achas que és assim um bocadito virado?
- Virado?
- Sim virado! Atenção que eu não tenho nada contra homossexuais!
- Para quem me beijou e me apalpou não estás nada preocupada, com o facto de eu puder ser virado.
- Eu não te apalpei!
- Apalpas-te sim! Tu já não deves é saber o que fazes!
- E quando é que foi isso?
- Quando estávamos a vir para a Torre Eiffel!
- Que mentira!
- Verdade! Pura!
Acabei por me levantar e ele fez o mesmo, caminhámos até a um local de onde se via perfeitamente a Torre Eiffel , não me contive e as minhas mãos foram diretas ao rabo dele. Ele olhou para trás com uma cara espantada.
- Agora vais dizer-me que não me apalpas-te?
- Claro que não te apalpei! Há uns que não se sentem! Tu deves sentir-te demais!
- Apalpas-te, apalpas-te que eu senti!
- Ficava com a fama e não ficava com o proveito queres ver? Deixa que te diga que és bem constituído!
- Boa forma indireta de dizeres que eu tenho um rabo bom.
- Convencido!- disse empurrando-o.
- Quando é que nos vamos voltar a ver?
- Não sei.
- Amanha vou para a Arménia.
- Vais para onde?
- Com a seleção Italiana, em princípio não jogo mas fui convocado, já é bom.
- Ainda não me habituei ao facto de seres jogador de futebol.
- Habitua-te, porque vais ser a namorada mais bonita do mundo, aqui do jogador de futebol.
- Mulher já agora! Mãe dos teus filhos e avó dos teus netos!
- Quem sabe… Tu achas que vai haver assim uma cena sólida entre nós?
- Então não? Um muro de tijolos! É perfeito, daqueles com cimento bem sólidos, queres melhor?
- Quero, quero-te a ti!

Agarrou-me e puxou-me para ele, um beijo daqueles todos fofos mesmo á frente da Torre Eiffel.


***
- Vou ter saudades tuas- disse quando já era a hora de nos despedir-mos.
- Eu também.
- Vais mesmo? – Perguntou.
- Claro que vou! Não duvides disso.
- Nós vemo-nos por aí!
- Por aqui não é de certeza. Mas sim vamos voltar a estar juntos, eu sei que sim.
- Odeio despedidas.
- Somos dois.
Chegou-se perto de mim e beijou-me. Era agora o último beijo, vou sentir tanto a falta dele, daquele cheiro, daquele toque daqueles beijos, aqueles bons beijos.
Separamos os nossos lábios e encostamos as testas.


- Tu vais ser minha.
Sorri e ele deu-me um beijo na testa.


As nossas mãos que até ao momento estavam entrelaçadas, agora terão de se separar, e o facto de não saber quando é que se vão voltar a juntar assusta-me tanto.
- Porta-te bem princesa. Eu já sou teu, considera-me propriedade tua.
As nossas mãos separaram-se.


Vi-o partir, mas eu sei, sei que ele vai voltar e quem sabe não vamos ser felizes juntos.
***
- Rita! Vem jantar!- ouvi o meu irmão chamar.
Fui até á cozinha, e sentei-me na mesa.
- Rita nós temos uma coisa para te dizer.
- Digam lá.
- Eu e o teu irmão já não namoramos.
- Meu, eu pareço vossa filha, e parece que me estão a anunciar a separação.
Rimo-nos todos, acho que o ambiente estava estranhamente agradável.
- Eu e a Mariana, fomos melhores amigos e depois começamos a namorar, a cena é que se nunca passamos de melhores amigos.
- E estão bem com isso? – Perguntei.
- Sim estamos- respondeu a Mariana- continuamos a ser amigos, bons amigos. Apenas não dá mais para um namoro mas sim para uma amizade, uma boa amizade.
- Oh tá bem, Mari vais ser sempre a minha boneca, vais ser sempre minha amiga não é? Mas agora vou ter que ir á busca de uma cunhada.
- Não te ponhas com ideias Rita!- disse o Salvador, a Mariana apenas se ria.
- Olha eu aceito tudo, chinesas, marroquinas, ruivas ate todas tatuadas, eu só não aceito é loiras!
- O que é que tu tens contra loiras miúda? – Perguntou o Salvador.
- Tudo! Há pessoas que não têm nada não é? Eu tenho tudo.
- Então e o tal desconhecido?- perguntou a Mariana.
- É! – Disse com um sorriso na cara.
- Olha tá apanhadinha! – Disse a Mariana.
- Não estou nada. Mudando de assunto se calhar vou passar o fim-de-semana a Coimbra.
- Não é se calhar é mesmo!
- É mesmo? – Perguntei confusa.
- Sim Rita temos o batizado da miúda, da como é que ela se chama?
- Da Mafalda?
- Sim isso mesmo!
- É este fim-de-semana?
- Sim, mas é em Mira.
- Então mas como é que vamos fazer? Eu preciso de ir para Coimbra ter com a Gabi.
- Olha os pais vão no sábado de manha e voltam no sábado á noite para a Costa. Se quiseres vamos na sexta á noite para Mira, ficamos lá a noite em casa da tia, e depois no sábado no fim do batizado vamos para Coimbra, e passamos lá o dia.
- E no domingo á noite levas-me á Costa?
- Sim, vai ser um bocado cansativo mas conseguimos fazer as viagens. Vai valer a pena!
- Tenho saudades de Coimbra!- comentei.
- Somos dois.
- Três- disse a Mariana.
- E quando é que vens para Portugal?
- Quinta, tu vais amanha de manha.
- De manha? Não era so as 4 horas?
- Viste mal as horas!
- A que horas é que é então?
- Ás onze da manha.
- Lá vai ter que ser.
Jantamos e passamos um bom bocado todos juntos. Eles estavam a levar a separação deles na boa. Acho que antes de ser namorado tem que ser amigo, e eles deixaram de ser namorados mas continuaram a ser amigos.
Passado um bocado, fui-me deitar precisava de dormir, de acordar amanha e perceber que era real que o que eu estou a viver é real, que ele…é real. Parece um sonho. Um sonho tão bom. Apenas me deitei com uma única coisa no pensamento, ele.

***

Finalmente em casa confesso que tinha saudades e muitas.
- Rita, vou para a loja! Almoça e o teu irmão foi para casa do Rodrigo, á tarde deve voltar. Ficas com ele? – Disse a minha mãe.
- Sim. – Respondi.
Já estava na hora de almoço, mas a mim não me apetecia comer, a única coisa que me apetecia agora era ele, ao meu lado.
Peguei na mala e sai de casa, ia ter com o meu pai ao hotel, ele trabalhava lá como chefe de cozinha, e eu precisava de falar com alguém, precisava de me distrair.
Em alguns minutos cheguei lá, e fui ter com ele á cozinha.
- Olá filha- disse-me- já tinha saudades tuas.
- Oh, eu também pai.
- E como correu Paris, e Milão?
- Bem- tentei mostrar algum entusiasmo.
Tinha corrido bem, melhor que bem, mas agora que chego aqui, sinto a falta de algo.
- Quem é ele? – Perguntou o meu pai, o que me deixou bastante assustada.
- Ele quem?
- O rapaz…aquele que te deixou assim.
- Não há rapaz nenhum!
- Mentes tão mal, filha.
- Não vou ter essas conversas contigo, pai! As cenas com a Mariana e o Salvador não estava nada bem, eles acabaram.
- Eu sei.- Respondeu-me.
- Sabes? - perguntei.
- Sim, ele tem essas conversas comigo, não percebo porque tu não tens!
- Porque não, não vim aqui para isso. – se calhar até vim mas…é complicado falar.
- Então para que é que vieste aqui?
- Foi mesmo para ver se me dás o almoço, não me apetecia o que a mãe fez.
- Anda cá! Vou dar o almoço perfeito á minha filha apaixonada.
- Pai!
Ele percebe tanta coisa, posso negar mas ele sabe. Sabe ver quando estou triste, quando se passou algo, quando estou feliz, ou simplesmente quando preciso de um abraço.
No fim de almoçar voltei para casa, instalei-me no sofá e precisava de falar com a Gabi, sobre o fim-de-semana. Estava na hora de fazer skipe com a Gabi.
- Oi beleza- disse ela do outro lado.
- É beleza é! Olha so consigo passar o domingo contigo. Tenho lá o batizado de uma miúda em Mira. No sábado á noite venho para baixo. E passo lá o domingo.
- Sendo assim, vou no domingo de manha e volto no domingo á noite.
- Sim, isso tu é que sabes mas temos um domingo só nosso, um regresso ás origens daqueles em grande.
Ouvi a porta a bater, lá vinha o meu puto ranhoso.
- Bonjour ma petite soeur! – disse o Afonso quando entrou.
- Oh miúdo, isso de teres francês duas vezes por semana anda-te a afetar o cérebro só pode!
Sentou-se ao meu lado no sofá.
- Olá chuchu – disse para a Gabi.
- Olá fufucho. – disse a Gabi.
- Vocês são tão parvinhos!
- Também vens para Coimbra Afonso? – perguntou-lhe a Gabi.
- Yap, eu tive a falar com o Salvador , e já falei com a mãe e eu vou com vocês para Coimbra.
- Vou ter que te aturar então!
- Eu quero estar com os meus amigos mana.
- Amigas queres tu dizer!
- Também, também – disse o Afonso saindo da sala.
- Tinha saudades até dele – disse eu para a Gabi.
- Rita, eu conheço-te estás diferente!
- Estou?
- Há alguém não há?
- Há!
- E é bom, ou é mau?
- Não sei Gabriela não sei, ele faz-me tão bem, mas eu não quero passar pelo mesmo, ainda por cima eu estou cá e ele está em Itália.
- Itália? Um Italiano roubou o coração da minha boneca?
- É.
- Diz-me nome, facebook quero ver como é ele.
- Não vale a pena.
- Não vale a pena? – perguntou.
- Escreves o nome dele no Google, e pronto.
- O quê? É modelo super famoso?
- Não Gabi, é jogador de futebol.
- Éh lá! Pode se saber o nome?
- Stephan El Shaarawy.
- Grande jogador! – disse o Afonso entrando na sala.
Fiz sinal á Gabi para se calar, enquanto o Afonso se sentou novamente ao meu lado.
- O Salvador disse que foram ver o jogo do Inter com o Milan.
- Ya é verdade!
- Gostas-te? – perguntou o Afonso.
- A tua irmã estava mais interessada lá no jogo, estava interessada era nos jogadores!
Pronto, típico da Gabi, vai mandar indiretas até o meu irmão perceber.
- Olá boneca vou ter de ir sim? Vou sair com o Pedro.
- Oh chuchu trocaste-me? – disse o Afonso.
Aquelas brincadeiras deles , tão típicas.
- Não fofucho tens sempre um lugar aqui no meu coração. Adeus Rita, adeus Afonso beijinhos. Até domingo.
- Adeus – dissemos os dois.
Poisei o pc no outro sofá e liguei a televisão.
- Como foi o jogo? – perguntou.
- Foi fixe, a forma de eles jogarem é bem diferente da nossa mas foi fixe.
- Eu um dia levo-te a um jogo do Milan – ai mas o que é que eu estou a dizer.
- Levas mesmo? – perguntou surpreendido.
- Ya , se calhar, sei lá quando fizer 18 logo se vê.
- Tas esquisita, estas diferente.
- É hoje toda a gente me diz isso.
- Estás alegre! Estás fofinha.
-Meu, tu é que estás esquisito. Vai dormir que isso passa!
-É vou!
Aquele miúdo é tao esquisito de vez em quando, mas é um amor, eu adoro-o , desde que o Salvador se foi embora é o meu apoio. Brincamos muito, gozamos muito um com o outro, e ele já não é uma criança.
Quando nos mudamos, ele sofreu muito com isto, ficou sem o Salvador e teve de vir para uma nova escola, com novas pessoas. Para mim foi ótimo mudar de ares, fez-me crescer, fez-me afastar de todo o meu passado, mas ele não merecia, e na idade dele mudar de escola é o fim do mundo, porque não se sabe para onde vai, vai-se perder tudo.
Felizmente, ele esta a dar-se bem aqui, estamos a mais ao menos um mês de aulas, mas ele antes de começarem as aulas já conhecia pessoas, e já tinha feito amigos.
Depois há também o lado positivo da coisa, estar muito mais perto do estádio de Alvalade, coisa que para ele é perfeito. E para mim também tenho que admitir.
Passamos o resto da tarde a ver filmes e a falar, é tão bom ter irmãos.

***

Finalmente aulas acabadas, cheguei a casa com o Afonso, e o Salvador já estava lá. Estava na hora de ir para Mira, fazer as pequenas malas e partir.
Esperavam-nos por volta de duas horas e meia de viagem, depois chegávamos a Mira, e iriamos para casa da nossa tia, ou da nossa avó para o batizado amanha.
Entre risos, cantorias e muitas brincadeiras chegamos finalmente a Mira, por volta das 9 e meia da noite. O primeiro sitio a onde nos dirigimos foi a casa da nossa avó.
- Olha os meus netos preferidos! – disse a avó.
- Oh avó não diga isso muito alto! Ainda chegam aí as minhas primas loiras preferidas, quero ver o que é que lhes vai dizer!
- Elas não ouviram Rita, descansa.
- Oh avó! – chamou o Afonso – vamos cá ficar?
- É melhor- disse – a vossa ti deve ter lá gente e aqui sempre tem um quarto, com cama de casal.
- A cama é grande, mas não devemos lá caber todos – disse o Salvador.
- Raio dos miúdos! – disse a minha avó na brincadeira- Acampem no jardim, se quiserem!
Eles foram os dois para o quarto poisaram as coisas, e saíram.
- Avó, nós vamos sair- disse o Salvador – Rita vens?
- Não eu fico aqui.
- Portem-se bem- disse ela.
Fomos até á sala onde a minha avó se sentou num cadeirão. Sentei-me no seu colo.
- Já estás um bocado velha para isto!- disse ela.
- Oh não estou nada avó!
- Então engatas-te algum francês?
- Não têm um sotaque esquisito!
- Isso é só até te habituares! O italiano é bem pior!
- Não é nada é sexy. – riu-se com o que eu disse, e ai mas o que é que eu acabei de dizer!
- Ui ui, e quem é ele?
- Não há nenhum ele!
- É um ela queres ver! Mentes tão mal Rita!
A minha avó é das poucas pessoas como o meu pai, que me consegue ler, que me consegue perceber. E é uma pessoa super alegre com os seus 68 anos.
- Oh avó , ainda não há nada!
- Mas vai haver?
- Talvez sim, talvez não, não sei. Ele mora na Itália e eu aqui.
- Querida, a distância não significa nada se ele significar tudo.
Ela tinha as palavras certas, aquelas lindas palavras, que me fazem acreditar, que ele…significa tudo.

***

Eram perto das 2 da manha quando nos deitamos, os três na mesma cama ou eu muito me engano, ou isto ainda vai ser uma noite muito agitada.
- Oh Afonso tira daí a mão, estás quase a espetar-me os dedos nos olhos – disse o Salvador.
- E tu chega a perna para lá! Não preciso de ter contacto contigo assim tão intimo – respondeu o Afonso.
- Oh meu mas vocês chegam-se para lá? Não tarda muito estou a cair da cama. – disse eu.
- Queres que eu faça conchinha com o Salvador não? – disse o Afonso.
- Olha porque não? Dormem quentinhos e tal. – disse eu no gozo.
- Rita, eu juro que te mando da cama a baixo!- disse o Afonso.
- Não estas em condições de resmungar! – disse eu.
- Calem-se eu quero dormir- disse o salvador.
- Olha eu vou dormir com a avó!
- Boa viagem!- disse o Salvador.
Sai da cama e arranquei a almofada ao Afonso.
- Porque é que me tiras-te a almofada?
- Porque a minha é mole! Divide a almofada com o Salvador.
O Afonso pegou na almofada do Salvador e atirou-me quando estava a sair do quarto.
- Boa! Agora ficamos sem almofada!- disse o Salvador- vai busca-la.
- Olha pensas que eu sou algum cão? Vai lá tu!
Sai do quarto, e segui para o da minha avó, entrei no outro lado da cama, e instalei-me, fechei os olhos e ouvi um boa noite Rita, simplesmente eu amo aquele mulher como se fosse minha mãe.

***

Estávamos a tomar o pequeno almoço , quando o Salvador e o Afonso chegaram á sala.
- Dormiram bem chuchus? – Perguntei no gozo.
- Vai-te lixar, Rita!- disse o Salvador- o Afonso dá pontapés a dormir!
- Olha e tu ressonas, pareces um porco.
- Olha que engraçado eu não ouvi nada!- disse a avó.
- Isso é porque a avó esta longe, ele ressona mesmo muito!
- E tu deves sonhar que estás a ter aulas de karaté.
- Vá meninos toca a vestir! O batizado da minha neta mais nova é já daqui a um bocado.
Fui indo para o quarto, não sabia bem o que vestir, algo bonito simples, não muito formal. Optei por uma blusa, uma saia e uns saltos altos e claro um blazer na mão para o caso de ter frio. 


Sai do quarto e estavam todos vestidos já na sala.
- Fogo demoras-te!- reclamou o Salvador.
- Vamos embora!
Saímos de casa e caminhamos até á casa da minha tia.
- Sabes o que te digo? – Disse o Afonso.
- Se não fosses minha irmã…
Dei-lhe um cachaço.
- Se não fosse tua irmã nada…Olha lá o respeitinho Afonso Miguel!
- Só estou a dizer que estás muito gira. – disse o Afonso.
- Pois estás Rita, estás uma princesa- disse a minha avó.
- Oh avó!
- É pena não haverem cá Italianos! – disse ela.
- Italianos? – perguntou o Afonso.
Ouvi o toque de mensagem, peguei no telemóvel e sorri era ele.
- Italianos para quê? – perguntou o Afonso novamente.
- Eh pá cala-te, tá ali uma gaja gira! Vai lá ter com ela mas é.
Ele lá desemparou a loja, e eu abri a mensagem.
‘’ Já tenho tantas saudades tuas.
Tive jogo ontem, não joguei mas foi bom na mesma.
Voltei para Itália, não sei quando nos vamos voltar a ver, mas eu quero mesmo muito estar contigo.
Tenho tantas mas tantas saudades tuas. Bacio ‘’

 ----------------------------------------------------------------------------------------------
Aqui está o capitulo, grandinho, não sei se bem ou mal conseguido mas aqui está ele.
Espero mesmo que gostei.
Buona settimana, bacio,
Mahina

5 comentários:

  1. Amei <3 Perfeito *-* Quero mais e rapidinho, pleaseee....
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Olá!!!!
    Eu gosto mesmo mesmo desta historia! Eles sao fofinhos juntos mas nao perdem a essencia. A Rita continua com o seu humor tao caracteristico, com as suas atitudes tao comicas! Adoro-a adoro-a adoro-a!!!
    Mas foi triste eles terem-se separado! Gosto deles juntos a embirrar, a brincar, a fazer-me rir!
    Quero o proximo!

    Beso
    Ana Santos

    ResponderEliminar
  3. Olá, olá, olá minha princesa!
    Já sabes que para mim eles são o casal mais perfeito que existe. As penas coisas deles são enormes e fazem-me sentir apaixonada, romântica e a acreditar que é possível um amor assim...à distância. Vai ser dificil, eu sei disso, mas eles têm de estar juntos, muito mais tempo juntos! Eles merecem, eles têm de ser felizes e amarem-se como nunca amaram ninguém!
    Inspiraste-me, consegues faze-lo com pequenas frases que me vais mandando, és um poço de inspiração e sempre consegues inspirar-me!

    Fico à espera do próximo!
    Besos!
    Ana Patrícia Moreira.

    ResponderEliminar
  4. está óptimo, adorei tudo, ele devia aparecer de surpresa à noite na casa da avó ... :D
    espero o próximo do tipo....RÁPIDO?

    BEIJOS
    PAULA

    ResponderEliminar
  5. Olá...amei *.*
    Espero q a distancia n os separe :/ e a rita por mais que queira disfarçar...não consegue pq está apaixonada ;)
    Os manos dela são uns doidos porra :p
    Próximo sff :*

    ResponderEliminar