sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

17º Capitulo - « Por vezes amar não chega… »

Umas semanas se passaram desde o pedido de namoro mais lindo que me fizeram, foi tudo tão perfeito, perfeito demais até. Hoje, sexta-feira, à noite a Gabriela vem para passar o fim-de-semana comigo. Só tenho mais uma semana de aulas até ao Natal e não tenho ideia do que vai ser da minha vida, tenho muito medo do que vai acontecer a partir de agora.
Quando saí das aulas á tarde fui para um jardim, sentei-me num banco e deixei-me estar lá por muito tempo, era ali que a Gabriela ia ter comigo como combinado.
Tinha o telemóvel na mão, olhava para ele constantemente sem saber bem o que fazer, uma parte de mim queria ligar mas havia outra parte de mim que não o queria fazer, no fundo sei que me vou arrepender tanto.
Não sei qual o pior, sofrer por estar longe dele ou simplesmente esquecer o que ele é para mimo que é impossível.
É horrível quando há uma decisão para tomar e não se sabe o que decidir, é horrível quando sofro tanto com a distância que sei que nunca vai acabar, quando vejo que os dias nunca mais passam e o meu único desejo era estar novamente ao pé dele.
Lembro-me tão mas tão bem da nossa despedida, foi como se tivesse morrido ali, no exato momento em que ele me deu o ultimo beijo.

#RecordaçãoON
E quando chega a hora de me despedir não consigo reagir, olho para ele e ele olha para mim e há sempre aquela pergunta no ar: ‘’ quando é que nos vamos voltar a ver’’.
Entrelaçou as nossas mãos e olhou para mim, sorriu e juntou os nossos lábios.
- Vale a pena muitas palavras? – Perguntei.
- Não – respondeu a sorrir – depois começas a chorar e eu não gosto nada de te ver chorar.
- Vou chorar de qualquer maneira.
- Eu sei que custa.
- Muito.
- Mas vamos ser felizes?
- Já somos – respondi a sorrir.
Agarrou-me pela cintura e beijou-me, são tão bons estes momentos.
- Sabes que os meus colegas gostam muito de ti?
- Não era suposto seres tu a gostar de mim? – Disse a rir.
- E gosto mas eles também gostam.
- Engraçado.
- Sabes que também dizem que és muito bonita?
- É e tu ameaças os pobres dos rapazes com a frigideira?
- Rita…percebe o meu lado.
- Se eu fosse ameaçar todas as raparigas que gostam de ti e te acham giro haviam de chover frigideiras.
- Mas tu tens uma coisa que essas raparigas todas não têm.
- Que é…
- Eu.
- Tu? Também não tenho grande coisa.
- Muitas Italianas gostavam de me ter, tu tens essa sorte.
- Acho que no fim de passarem um dia contigo rifavam-te logo.
- Tão querida que ela está.
- Também amo tu.
- Vais gozar comigo até quando por causa de eu ter dito isso?
- Até dares assim uma calinada muito pior no português.
- És mesmo parva.
- Que engraçado tu também!
- Ti amo.
- Eu também te amo apesar de seres o maior parvo que eu conheço.
- És perfeita.
- Que perfeição.
- Já me perguntaram se eras modelo.
- Passei ao lado de uma grande carreira, diz lá tenho mesmo cara de Miranda Kerr ou será Adriana Lima, se calhar é Alessandra Ambrosio.
- Tens mesmo cara da parva da Rita Almeida e chega bem.
- É que eu ainda gostava de saber porque é que aceitei namorar comigo! Isso é maneira de me tratar?
- Não amore mio.
Chegou-se perto de mim outra vez e beijou-me, é surpreendente como nos tratamos ou muito bem ou muito mal.
- Tenho de ir, mas eu não quero.
- Também não quero que vás.
- Mas tem de ser, vá despedida curta se não choro muito.
- Oh princesa, nós vamos estar juntos mais cedo do que possas imaginar, vais ver!
- Quero pensar que sim, custa muito sabes?
- Sei.
- Vá, despachemos isto, dá-me um beijo e vai-te embora.
- Só um?
- Dois, três mas rápido.
Juntou os nossos lábios mais uma vez, só de pensar que é o ultimo beijo dá-me um aperto enorme no coração.
No fim do beijo encaminhei-me para dentro do aeroporto quando o Stephan me agarrou.
- Mais um.
Sorri e beijamo-nos outra vez, agora sim o ultimo beijo…por agora.
#RecordaçãoOFF


Peguei no telemóvel, tomei a minha decisão. Fui até aos meus contactos, andei até encontrar Stephan e carreguei em chamar. O telemóvel tocou uma, duas, três vezes até ouvir a voz dele do outro lado.
- Olá amore mio. – E com aquela voz sinto um aperto no coração enorme.
- Stephan – consegui dizer já com lágrimas nos olhos.
- Está tudo bem? Estás…estranha.
- Precisamos de falar.
- Mas…aconteceu alguma coisa?
- Eu não quero fazer isto, a sério que não mas…eu não aguento mais…desculpa.
- Rita, o que é que se passa? Porque é que estás a chorar?
- Stephan, cheguei a um ponto que não consigo, eu não aguento, não aguento esta distância, não consigo…desculpa, mas não dá – falava entre choro, não me conseguia explicar, não conseguia dizer tudo o que tinha planeado dizer…saiu tudo ao lado – eu sofro com cada despedida, sofro tanto…
- Rita, tu estás a acabar tudo?
- Não me odeies por favor, não me odeies…
- É impossível odiar uma pessoa que tanto amo.
- Stephan ouve-me – fiz uma pausa, limpei as lágrimas e tentei falar com mais calma – Tu és uma pessoa tão especial, foste tu que fizeste com que eu voltasse a acreditar no amor, foste tu que conseguiste curar cada ferida em mim, foi em ti que confiei a minha vida, confiei porque tu és muito especial, és quem eu quero ao meu lado todos os dias, mas tu estás longe, faço todos os dias um esforço enorme para tentar acreditar num amor à distância, e lembro-me do que a minha avó me disse uma vez, que a distância não significa nada se tu significares tudo, a verdade é que significas mas eu sou fraca demais eu não aguento isto, magoa-me cada vez que nos despedimos e cada vez custa mais, à medida que a tua importância aumenta, aumenta também a dor, sim dói, dói muito.
- Vais desistir? Agora? – Começava a notar a tristeza na voz dele.
- Eu…eu não quero desistir mas…- as lágrimas voltaram á recarga, aquele choro intenso voltava a tomar conta de mim – eu não aguento percebes? Sou fraca demais para aguentar isto tudo, não quero que tudo o que temos acabe a sério que não mas peço-te um tempo apenas…acho que nos precipitamos nisto tudo.
- Se é um tempo que queres é um tempo que te vou dar – a reação dele deixou-me a mim sem reação, ele compreendeu-me Não vou dizer que concordo com tudo isto porque não concordo, mas eu ia até ao fim do mundo para te ter ao meu lado, e se é um tempo que queres é um tempo que te vou dar.
- Desculpa, não te consigo dizer mais nada. Não te vejo há semanas e começo a desesperar, este tempo que te peço não é para pensar no que sinto por ti, porque em relação a esse assunto eu não tenho duvidas, apenas quero este tempo para pensar na nossa relação.
Ele não disse nada e eu apenas chorava sem saber o que dizer, sem saber o que pensar.
- Rita?
- Diz.
- Nunca te esqueças de uma coisa eu amo-te sim?
Cada palavra dele me matava aos poucos por dentro, e quando ele disse que me amava tudo desabou. Comecei a chorar ainda mais sem conseguir controlar as lágrimas que iam caindo.
- Sei que vai haver algo que te vai fazer mudar de ideias, e perceber que a nossa relação de precipitada não tem nada. Esse tempo que me estás a pedir vai durar pouco, eu sei que sim, e digo-te mais uma vez, princesa e tu nunca te esqueças que te amo.
- E eu também te amo, acredita.
Desligamos a chamada, dobrei as pernas e levei-as até mim, enterrei a cabeça nos meus joelhos.
- Oh minha gorda – sim eu conhecia aquela voz, levantei a cabeça – ai ai, o que é que se passa?
- Eu acabei com ele, Gabi.
- Com ele? O italiano? Porquê?
- Eu não aguento percebes? A distância vai-me matando aos poucos.
- Mas vocês amam-se.
- Por vezes amar não chega…
- Estás bem?
- Não, mas vai ficar. Nós demos um tempo.
- Oh princesa, eu quero-te ver contente.
- Vais ver, isto vai fazer-me bem eu sei que sim.
- Oi? A Gabi ama-te.
Dei-lhe um beijo na bochecha, só ela para me pôr um sorriso na cara.

***
 O sábado passou a correr, quando temos as pessoas que gostamos ao nosso lado o tempo passa a correr e é o que tem acontecido.
Acordamos por volta das 10 horas da manhã e começamos logo na risada de manhã.
- Mas tu viste a lata do miúdo? – Perguntou a Gabriela a rir-se muito.
- Então não vi? Ele disse: Oi, eu chamo-me Arlindo mas podes só tratar-me por lindo que o ar já tu mo tiras-te.
- Essa é tão velha pá!
- Teve ainda mais piada quando o amigo veio chama-lo e disse: Oh Albertino vamos embora que a tua mãe disse que tinhas que estar em casa ás 11horas e já são 11 e 5!
- Mas eu aturo cada emplastro! Deus me dê paciência.
- Eu pensei que ele tivesse um nome fixe tipo…sei lá qualquer um sem ser Albertino.
- Mas eu tenho namorado e tu também, por isso vieram meter-se com as miúdas erradas.
- Desculpa…-disse olhando para a cara com que fiquei – mas o Stephan será sempre teu namorado, nada mudou continuas a amá-lo.
- Sim…- respondi.
- E tipo bom dia! – disse começando a fazer-me cócegas – o meu nome é Gabriela mas trata-me só por Gabi que o ela…não, não tem sentido.
Começamos as duas a rir muito, fizemos um pouco de barulho a mais. Quando olhamos para a porta vimos o Afonso à porta.
- Talvez que eu morra na praia – começou a cantar o Afonso.
- Oh então? Amália Rodrigues a esta hora não! – disse eu.
- Cercada em pérfido banho – cantou a Gabriela.
- Por toda a espuma da praia / Como um pastor que desmaia /No meio do seu rebanho. – Acabei por cantar – e parou! Chega de Amália Rodrigues por hoje!
Rimo-nos todos e o Afonso atirou-se para a minha cama.
- Gabriela meu amor – disse o Afonso.
- Diz lá Afonso.
- Lembras-te do nosso acordo?
- Se me lembro, quando tu tiveres 18 anos vamos ter uma relação extraconjugal.
- Oh meninos! Não brinquem com coisas sérias!
- Onde é que ter uma relação extraconjugal é sério? – Perguntou o Afonso.
- Eu nasci de uma! – Disse a Gabriela – foi bem séria para tua informação.
- Gabi, o teu caso é diferente!
- A sério? – Perguntou o Afonso.
- Cusco como ele é, agora vais ter que lhe contar tudo. – Disse eu.
- Digamos que o meu pai saltou a cerca antes de ser meu pai. Por isso relações extraconjugais são maravilhosas, fizeram uma Gabriela linda.
- Bom dia! – Disse a minha mãe entrando no quarto.
- Bom dia D. Margarida – disse a Gabriela.
- Bom dia mãe – disse eu.
- Do que é que estavam a falar tão animados?
- Relações extraconjugais – Disse o Afonso.
- Bom assunto para começar o domingo. – Disse a minha mãe a rir.
- E o que é o almoço? – Perguntou o Afonso.
- Raio do miúdo sempre cheio de fome! – Disse a rir.
O Afonso saiu do meu quarto e a minha mãe também, senti o meu telemóvel a vibrar na cama.
- Onde é que ele está? – pergunta a Gabi a rir.
No meio dos lençóis andamos À procura do telemóvel acabei por cair no chão e a Gabriela só se ria.
- Está aqui! – Disse eu deitada no chão e tirando-o do fundo da cama, no meio dos lençóis.
- Como é que ele foi aí parar?
- Não sei – disse a rir.
Peguei no telemóvel e desbloqueei-o e vi que tinha uma mensagem do Stephan.
Olhei para a Gabi à espera de alguma reação dela.
- O que foi? – Perguntou.
- Uma mensagem…dele.
- Vê Rita!
Lá abri a mensagem como ela tinha dito.

‘’ Sinto a tua falta ‘’

- Então? – Perguntou a Gabriela.
- Ele disse que sente a minha falta…
- Como tu sentes a dele?
- Sim…mas foi melhor assim…
- Se tu achas que foi.
- Foi – respondi.
Ficamos mais um pouco na conversa, e fomos vestir-nos, quando ficamos prontas a minha mãe chamou para almoçar e fomos até à mesa.
O almoço decorreu entre muitos risos e gargalhadas, a Gabriela era parte da família,
- Tenho uma coisa para vos dizer, agora que estamos todos reunidos.- disse o Salvador.
- Vais-te casar! – Palpitou o Afonso.
- Para se casar era preciso que alguém, o quisesse. – Disse eu a rir.
- Meninos deixem o Salvador falar. – Disse a minha mãe.
- Vai haver umas mudanças na redação e eu vou sair de Paris.
- Sim, e? – Perguntei.
- Eu…vou para Itália.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Boa noite minhas queridas leitoras.
Este é um capitulo ‘’diferente’’ se é assim que eu lhe posso chamar, com estas mudanças todas que aconteceram a única coisa que vos peço é os vossos comentários grandes ou pequenos, apenas deixem-nos por favor.
Volto a repetir, se não nos ‘’virmos’’ até lá, Feliz Natal
Beijinhos,

Mahina

8 comentários:

  1. Por onde começar? Acho que o olá não será necessário...mas olá.
    Diferente? Isto de diferente tem tudo, mas nada.
    Não tem nada de diferente pela maneira como escreves. Os sentimentos, a emoção, a dor, o sofrimento...está tudo tão aqui que me fizeram chorar, fizeram o meu coração partir-se em pedaçinhos, fizeram o meu coração sofrer por eles. Fizeram-me chorar por eles.
    Esganava-te se estivesses ao pé de mim! Eles não merecem...mas até merecem porque isto vai dar-lhes a confirmação de que o amor dele é único, é verdadeiro e supera qualquer que seja a distancia.
    Quero mais, muito muito mais! E queria que a Rita fosse viver com o Salvador para Itália, fosse estudar para lá e ficasse na casa do El! Queria, queria, queria!

    Besos mi amore.
    Ana Patrícia Moreira.

    ResponderEliminar
  2. Oláaaa

    Adoreiiii , esta reviravolta ainda vai fazer com que a Rita vá viver para Itália :))) É só mais uma prova que o amor deles vai superar tudo :)))

    Quero o próximo .... Beijinhos Catarina

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Isto tinha mesmo de ser neh? A separação deles já foi má e agora uma sepração memso como casal foi ainda pior!
    Mas depois veio a Gabi e ela vai ajudar muito a Rita a ficar melhor e tentar anima-la apesar de tudo!
    Agora esta parte final :o O Salvador vai para Itália! A primeira coisa que eu pensei foi: O homem da crista está em Itália!
    Só espero que eles percebam que se amam muito e que o tempo que tiveram separados só fez com que sentissem muitas saudades um do outro e que cada vez gostem mais um do outro. E assim a Rita podia ir para ao pé do irmão!
    E demore o tempo que demorar espero que seja isto que vai acontecer!
    Próxximmoooo!!
    Sofia.

    ResponderEliminar
  4. Não, eles não podem dar um tempo... -.-
    OMG :o a Rita tem que ir com o irmão para Itália, assim fica ao pe dele... :D
    Amei <3
    Quero mais, por favor...
    Beijinhos :*

    ResponderEliminar
  5. Olá!...mas eles tinham que se separar?...fica sabendo que não gostei :P
    Espero pelo próximo capitulo sff bj

    ResponderEliminar
  6. Olá!
    Oh :c que triste. Mas pronto imagino que nao seja facil viver uma relaçao a distancia e que possivelmente seja mais facil nao a viver de todo :(
    Mas acredito que o Stephan ainda tem uma palavra a dizer e esta mudança do Salvador, bem...pode mudar tudo!
    Vá, espero o proximo!!

    Beso
    Ana Santos

    P.S. A Gabi e o Afonso... ahahahaah

    ResponderEliminar
  7. Olá!
    O que é que eu posso dizer....não gostei que eles tivessem dado um tempo, mas isso só vai tornar o amor deles mais forte! Espero que a Rita vá com o irmão para Itália!
    O capitulo tá perfeito faz chorar mas também faz chorar a rir! Tá lindo princesa!

    Espero pelo próximo....
    Beijinho....Inês Costa

    ResponderEliminar
  8. Olá! Só descobri o blog ontem e já estou apaixonada pela história!
    Beijinhos

    ResponderEliminar