domingo, 16 de março de 2014

22º Capitulo - «Tanti auguri amore mio.»

- Hoje o dia promete! – disse a Gabriela enquanto tomávamos o pequeno almoço.
- Claro que promete, há coisa melhor que ter aula de português logo de manhã?
A Gabriela sorriu e eu continuei a comer os meus cereais.
- O que é que ele tem? – perguntou apontando para o Afonso que tinha os fones colocados enquanto comia também os seus cereais.
- Não faço a mínima.- respondi-lhe.
Cheguei a minha cadeira mais para perto dele e retirei os fones do seu telemóvel fazendo-se ouvir a música que ele escutava.
- Ainda não me deste os parabéns! – atirei – seu irmão desnaturado.
- Parabéns!
- Obrigada. – agradeci-lhe.
Levantei-me da mesa com a intenção de ir até ao meu quarto para me acabar de preparar quando o meu telemóvel começou a tocar, vi que era o Stephan e parei.
- Bom dia! – disse-lhe.
- Fazes anos hoje não é verdade?
- O meu cartão de cidadão diz que sim…que foi há dezoito anos que nasci.
- Tanti auguri amore mio.
- Obrigada. Como anda aí Barcelona?
- Anda bem, isto até é engraçado.
- Vão levar poucos hoje, vão!
- Rita!
- Desculpa lá Ste. Não era isso que eu queria dizer, vai correr tudo muito bem e vais fazer um jogo lindo meu amor.
- O Balotelli quer dar-te os parabéns.
- Olha não, não mesmo Stephan, esquece lá isso sim?
- Oh Rita ele quer ser querido.
- Não é preciso, a sério.
Ouvia o Stephan a rir-se do outro lado.
- Tens medo dele? – perguntou levando-me a rir com ele.
- Não mas não tenciono conhecer tutti plantel do Milan.
- Não fales ‘’portiliano’’.
- E tu não inventes palavras estranhas.
- Rita?
- Sim.
- Sabes que agora sabia mesmo bem passar as minhas mãos por esse teu corpo?
- Stephan!
- Agora não quero outra coisa, não tenho culpa sim?
- Tens, tens!
- Não tenho, és…
- Sou apaixonada por ti e tenho que ir para a escola, certo?
- Que mau.
- Que mau! – disse tentando imitando a sua voz, a gargalhada do outro lado fez-se ouvir. Provavelmente a minha imitação era horrível – Curto de ti, adeus.
- Rita!
- Vais tu justificar as minhas faltas? Amo-te adeus.
- Também te amo, até já. – foram as ultimas palavras que disse antes de eu desligar aquela chamada.

O meu dia de anos foi talvez um dos melhores dias até hoje. Passa-lo com a Gabriela foi especial, foi como ficar quase completa com a presença dela e digo quase porque para tudo ser perfeito, para me sentir totalmente completa, o Stephan teria de estar presente.
O dia em si passou a correr, já ao fim da tarde me encontrava à frente daquela televisão a ver o tão esperado Barcelona vs AC Milan , como esperado o resultado não foi o melhor apesar do Milan ter ganho a primeira mão por 2-0 , levou 4-0 em Camp Nou.
Já no fim do jogo e de jantarmos tanto eu como a Gabriela fomos para o meu quarto.
O meu telemóvel começou a tocar provavelmente com mais uma chamada de parabéns. Olhei para o visor e reparei que era o Rafael, o melhor amigo do meu irmão, atendi e ainda estivemos algum tempo a falar.
- Quem era? – perguntou-me a Gabi no fim de eu desligar a chamada.
- O Rafa. – respondi-lhe calmamente.
- O Rafa?
- Sim, Gabriela o Rafa. – a cara que fez foi de todo estranha – e pára de fazer essas caras. O Rafael é meu amigo.
- Amigo não seria a palavra certa.
- Gabriela!- repreendi-a - Quem te ouvir falar até pensa que ando a trair o Stephan com ele ou coisa parecida.
- Não é isso mas…se eu fosse Stephan tinha cuidado com ele.
- E porquê? – perguntei sem perceber até onde queria ela chegar.
- Rita – disse aproximando-se de mim – vocês…têm história.
- Tivemos. Agora somos amigos.
- Se tu o dizes, eu acredito não é verdade?
. Acredita Rafael é meu amigo e teu também ou já te esqueceste que passámos a passagem de ano juntos?
- Verdade. Bela passagem de ano.
- Vais amanhã embora? – perguntei já que a Gabriela estava em aulas.
- Eu não tenho aulas Rita, porque é que haveria de ir embora amanhã?
- Não? – perguntei confusa.
- Não senhora, Belas Artes é outra coisa. – disse levando-me a rir – e tu, já decidiste para que universidade vais?
- Calma Gabi, calma.
- Acabas o segundo período esta semana e o terceiro passa a correr, quando não deres por isso já está na altura de vir a conversa das universidades e cursos.
- Se eu ficar por cá de certeza que vou para Coimbra.
- Se? Já há um se?
- Sabes bem que de um momento para o outro tudo pode mudar. Não te vou dizer que a minha vontade é licenciar-me cá porque estaria a mentir.
- Pões Itália como hipótese?
- Acho que sim – acabei por sussurrar.
- Estavas disposta a abdicar de tudo?
- Por ele… sim. – disse segura.


O primeiro dia com dezoito anos é um dia…normal como o esperado nada muda além o ano a mais acrescentado. Como quarta-feira que era só tive aulas de manhã e à tarde o passeio a três, com a Gabi e o Afonso, foi o que fizemos.
Eles afastaram-se um pouco de mim e eu fiquei sozinha naquele muro que separava o passeio da praia. Debrucei-me sobre o muro mirando o mar. A primavera já dava sinais de querer chegar e o sol já se sentia e como era bom senti-lo.
De repente senti umas mãos na minha cintura, se me assustei? Não. Podia-me ter assustado já que podia ser as mãos de qualquer pessoa mas eu, eu sabia que aquelas mãos não eram de qualquer pessoa, aquelas mãos pertenciam á pessoa que mais me faz feliz neste mundo. O cheiro dele começou a fazer-se sentir. Sentia também a sua respiração e o seu corpo mais perto do meu. Voltei a sentir aquela proximidade passado três meses sem o ter por perto.
Fechei os olhos e continuei voltada para a frente. Assentou a sua cabeça no meu ombro e depositou um pequeno beijo na minha bochecha.
- Senti tanto a tua falta… - sussurrou junto do meu ouvido.
- E eu a tua.- disse-lhe.
Virei-me finalmente para ele encarando-o. Aquele sorriso foi qualquer coisa de magnífico. Senti-me a tremer como da primeira vez que nos voltamos a encontrar. Também eu lhe sorri, fechei os olhos e abri-os novamente para acreditar mesmo no que via. Eu não estava a sonhar, ele estava mesmo ali junto a mim outra vez…
Abracei-o como há muito não o fazia, a saudade era tanta e a vontade de o sentir junto a mim outra vez também. Agarrou a minha cara entre as suas mãos e beijou-me. Que saudades tinha eu daqueles beijos…que saudades tinha eu de o abraçar, que saudades tinha eu de o sentir assim bem perto de mim.
- Feliz aniversário atrasado. – disse encostando os seus lábios ao meu nariz.
- Estás mesmo aqui? – perguntei deixando a minha cabeça ir ao encontro do seu peito.
- Estou Rita. – disse acariciando-me o cabelo.
- Como é que tu…
Sei deixar que eu acabasse a frase virou-se para trás apontando para a Gabriela que estava sentada num banco mais atrás acompanhada pelo Afonso.
- Hoje não ia ter treinos e de Barcelona aqui é perto por isso foi falar eles e vir para aqui. Tinha saudades tuas não ia aguentar estar em Espanha e não vir cá ter contigo.
- Vais cá ficar muito tempo? – perguntei-lhe ainda com a minha cabeça junto ao seu peito.
- Não meu amor, hoje à noite tenho voo. Hoje era o meu dia livre e amanhã volto ao trabalho.
- Vou ver se nas férias da Páscoa consigo com que a minha mãe e o meu pai me deixem ir para Itália.
- É quando?
- Meto férias esta semana, por isso as duas próximas são férias e sempre posso dar um salto por lá.
- Era ótimo…
- Perfeito…
- Maravilhoso. – completou unindo novamente os nossos lábios.

- Rita! – disse escondendo-se atrás de mim.
A Gabriela começou por se rir já que a figura do Stephan era cómica. Escondeu-se atrás de mim quando entramos em minha casa e a Leci veio até nós. A Gabriela continuava a rir-se já que o Stephan era bem mais alto que eu mas continuava atrás de mim.
- Stephan! – pronunciei – tens medo da Leci?
- Não!
- Não? Sai lá detrás de mim então.
- Não!
- Ste – baixei-me ficando da altura da Leci – mostra lá ao Ste que és linda e que não fazes mal.
Olhei para trás procurando o Stephan que já não estava atrás de mim mas sim do outro lado da sala junto à Gabriela.
- Stephan anda cá! – ordenei. – Saíste-me cá um medricas, medo de cães a sério?
- Não é medo de cães, eu já tive um mas sei lá ela é grande e mete medo.
Reparei na Gabriela a fazer gestos à Leci para ir ao seu encontro enquanto o Stephan falava. A cadela obedeceu-lhe e foi até junto dela. Vi a cara de assustado do Stephan e foi impossível conter o riso.
- Chega aqui Ste – disse-lhe – e segura a Leci , Gabi.
Ela assim o fez e o Stephan veio ter comigo.
- Se as tuas fãs ficassem a saber disto ia ser o teu fim – comentei.
- Mas não vão ficar a saber meu amor.
- Não vão porque tens a namorada mais fixe do mundo! – atirei rindo-me. – vamos lá fazer uma festinha ao bicho.
- Não Rita, não é preciso.
- É sim! Confias em mim ou não?
- Confio.
- Então anda cá, ela não te faz mal.
Comecei a caminhar em direção a ela com o Stephan junto a mim, baixei-me e ele também o fez. Fiz-lhe algumas festas e o Stephan a medo lá colocou a sua mão no pelo da Leci, no fim de fazer algumas festas à cadela reparei num sorriso a formar-se naquela cara linda.
Ouvi o bater da porta e olhei para trás e reparei na minha mão a entrar em casa. Reparei na sua cara de espantada ao ver o Ste ali, também ele olhou para trás e vi uma expressão de assustado na sua cara.
- Boa tarde – disse a minha mãe chegando-se junto a nós.
- Olá mãe. – disse levantando-me acompanhada do Stephan – é o Stephan – disse naturalmente – tu sabes… - acrescentei no fim.
- Sei… – disse chegando junto ao Stephan – olá Stephan – disse-lhe – ele percebe português certo? – perguntou o que nos levou a rir.
- Percebo – disse com aquele sorriso encantador na face – muito gosto em conhece-la Dona Margarida.
Percebi pela cara da minha mãe que ficou encantada, talvez por ele saber o nome dela e ter um à-vontade enorme. Ele mantinha um sorriso enorme na cara sem perde-lo uma única vez.
- Jantas connosco ? – perguntou-lhe a minha mãe.
- Lamento mas não posso, tenho voo daqui a pouco.
- Vieste a Portugal por um dia para ver a minha filha? – perguntou a minha mãe surpreendida.
- Sim.
- Ui, não o deixes fugir Rita, olha que namorados como este não se encontram muitos! – disse a minha mãe saindo da sala.
- Não deixo não, agora que te tenho não me vais fugir meu amor. – disse beijando-o.

A parte pior do dia foi de todo despedir-me dele, é bom quando o tenho junto de mim mas quando chega o momento de lhe voltar a dizer adeus é tudo horrível. É dizer adeus a metade de mim é dizer adeus ao rapaz que tanto amo.


***
- Ste? – chamei tentando que ele me ouvisse na cozinha.
- Sim – gritou da cozinha.
- O Balo está a chatear-me! – disse já irritada.
- Não estou nada! – defendeu-se o Balotelli mandando-me mais uma vez com uma almofada à cara.
- Mas tu paras de chatear a minha namorada? – inquiriu o Stephan aparecendo na sala de avental.
Não contive o riso, nem eu nem o Balotelli e gargalhamos com a figura do Stephan.
- Estás lindo! – atirei.
- E eu a pensar que já era lindo. – disse.
- E és, e és.
- Posso? – disse o Balotelli pegando no seu telemóvel e virando para ele.
- Não, não! Estou sexy demais, depois as pessoas vêm e apaixonam-se por mim e a minha namorada não quer isso.
- Sim, dá desculpas – atirou o Balotelli mandando-me outra almofada para a cara.
- És mesmo chato miúdo! – atirei.
- Oh miúda é a vida.
- A sério – disse levantando-me do sofá – atura-lo não é nada fácil!
- Então imagina o que aturo todos os dias – disse-me o Stephan.
A tarde foi passada entre brincadeiras e muita animação. Conhecer o Balotelli fora de campo foi uma experiência interessante. Nunca pensei que ele fosse assim…tão querido. Descobri que por detrás de Balotelli durão, há um Balotelli sentimental e que é uma boa pessoa.

Os dias em Itália têm sido animados. Entre acompanhar o Stephan a alguns treinos e conhecer plantel do Milan, tem passado tudo muito rápido. Os dias para a minha partida aproximam-se mas toda a semana foi aproveitada ao máximo por nós.
Mais uma noite que foi passada a dois, passeamos um pouco por Milão e em seguida fomos para casa. Ficámos no sofá a ver televisão. Mantinha a minha cabeça no colo do Stephan e ele ia acariciando-me o cabelo.
- Rita...tu…
- Eu? – perguntei olhando para ele.

- O teu futuro, o meu futuro. Tu eras capaz de abdicar da tua vida em Portugal para ficares comigo?

5 comentários:

  1. Boa noite! É bem parte por aqui nas tinha de ler!
    Primeiro de tudo :Rafael, põe te a milhas que estes dois já tem a distância a atrapalhar, não precisam de mais!
    E o Ste foi a Portugal vê-la!! Que fofo!
    E agora os dias em Italia... Hum e esta pergunta? Eu acho que a resposta é um sim!
    Vá eu já espero o próximo!

    Beso
    Ana Santos

    ResponderEliminar
  2. Adorei quero o próximo rápido.bjs

    ResponderEliminar
  3. que fofinhos...fiquei derretida :-)

    qual será a resposta?? se bem que já sabemos ;-)

    ResponderEliminar
  4. Olá. Adorei este capitulo :)
    Amei a visita do Ste á Rita...q romântico *.*
    Meter o Balotelli no capitulo...foi uma ideia genial :P...eu farto-me de rir com ele
    Espero que a resposta da Rita seja positiva mas sensata ;)
    Espero pelo próximo bjs sff

    ResponderEliminar